Home
últimas
Famosos Brasileiros
Famosos Internacionais
Famosos na praia
Filhos de famosos
Fotos de famosos
Vídeos
Namoro
Instagram dos famosos
Principais notícias
Todos os temas
Novelas
Novela Segundo Sol
Novela O Tempo Não Para
Novela Orgulho e Paixão
Malhação - Vidas Brasileiras
As Aventuras de Poliana
Novela Jesus
Série Lia
Novela O Sétimo Guardião
Resumo de novelas
TV
Domingão do Faustão
Mais Você
Encontro com Fátima
Caldeirão do Huck
Fantástico
Cinema
Tapete vermelho
Estreias
Oscar
Cannes
Festival do Rio
Angelina Jolie
Jennifer Aniston
Brad Pitt
Tom Cruise
Leonardo Dicaprio
Famosos
Bruna Marquezine
Marina Ruy Barbosa
Sasha
Anitta
Grazi Massafera
Ivete Sangalo
Giovanna Antonelli
Meghan Markle
Chay Suede
Letícia Colin
Camila Queiroz
Sabrina Sato
Michel Teló
Juliana Paes
Cabelos
Make
Moda
Dieta & Saúde
Beleza & Estética

William Waack define comentário polêmico como 'piada idiota': 'Não sou racista'

Compartilhe no Facebook
Ex-apresentador do 'Jornal da Globo' se defendeu de acusação de racismo em artigo publicado na 'Folha de S.Paulo' deste domingo (14)

William Waack falou pela primeira vez sobre o vídeo gravado em novembro de 2016 que acabou provocando sua saída da TV Globo, em dezembro passado. Na gravação feita nos EUA, o ex-apresentador do "Jornal da Globo" fez um comentário considerado racista. "Aquilo foi uma piada -idiota, como disse meu amigo Gil Moura-, sem a menor intenção racista, dita em tom de brincadeira, num momento particular", escreveu eu artigo publicado neste domingo pelo jornal "Folha de S.Paulo". "Desculpem-me pela ofensa; não era minha intenção ofender qualquer pessoa, e aqui estendo sinceramente minha mão", acrescentou o jornalista, de 65 anos.

'Não separo amigos segundo a cor da pele', frisou

Ainda no artigo, Waack, defendido por Boni, ex-diretor da emissora carioca, conta nunca ter apoiado o racismo. "Durante toda a minha vida, combati intolerância de qualquer tipo -racial, inclusive-, e minha vida profissional e pessoal é prova eloquente disso", garantiu. "Não digo quais são meus amigos negros, pois não separo amigos segundo a cor da pele. Assim como não vou dizer quais são meus amigos judeus, ou católicos, ou muçulmanos. Igualmente não os distingo segundo a religião -ou pelo que dizem sobre política", completou o apresentador. Ele foi substituído na bancada por Renata Lo Prete, embora a web tenha pedido Majú Coutinho.

Jornalista criticou 'grupos organizados' na web

Em seu artigo, Waack, submetido a cirurgia cardíaca em meados de 2017, afirma que "as empresas da chamada 'mídia tradicional' são permanentemente desafiadas por grupos organizados no interior das redes sociais". "Estes se mobilizam para contestar o papel até então inquestionável dos grupos de comunicação: guardiães dos fatos objetivos'", opinou o jornalista, que viu a polêmica virar assunto no exterior. "Na verdade, é a credibilidade desses guardiães que está sob crescente suspeita", acrescentou ele, sondado por SBT e rádio Jovem Pan.

'Não haverá gritaria que mudará minha história'

Ainda na publicação, o ex-âncora do "JG" diz que grupo chamado por ele de "canalhas do linchamento" querem tirar do brasileiro o lado irreverente e brincalhão. "Aproveito para agradecer o imenso apoio que recebi de muitas pessoas que, mesmo bravas com a piada que fiz, entenderam que disso apenas se tratava, não de uma manifestação racista", escreveu. "Admito, sim, que piadas podem ser a manifestação irrefletida de um histórico de discriminação e exclusão. Mas constitui um erro grave tomar um gracejo circunstanciado, ainda que infeliz, como expressão de um pensamento", apontou. "Tenho 48 anos de profissão. Não haverá gritaria organizada e oportunismo covarde capazes de mudar essa história: não sou racista. Tenho como prova a minha obra, os meus frutos. Eles são a minha verdade e a verdade do que produzi até aqui", finalizou.

Acompanhe também as últimas notícias dos famosos pelo nosso Facebook.