Home
últimas
Famosos Brasileiros
Famosos Internacionais
Famosos na praia
Filhos de famosos
Fotos de famosos
Vídeos
Últimos stories
Sertanejo
Namoro
Instagram dos famosos
Principais notícias
Todos os temas
Novelas
Malhação - Viva a Diferença
Novela Totalmente Demais
Novela Êta Mundo Bom!
Novela Novo Mundo
Novela Fina Estampa
As Aventuras de Poliana
Novela Amor Sem Igual
Novela Salve-se Quem Puder
Novela Amor de Mãe
Novela Nos Tempos do Imperador
Resumo de novelas
TV
BBB20
Domingão do Faustão
Masterchef Brasil
Caldeirão do Huck
Mais Você
Encontro com Fátima
Fantástico
Cinema
Tapete vermelho
Estreias
Oscar
Cannes
Festival do Rio
Angelina Jolie
Jennifer Aniston
Brad Pitt
Tom Cruise
Leonardo Dicaprio
Famosos
Bruna Marquezine
Marina Ruy Barbosa
Sasha
Anitta
Grazi Massafera
Ivete Sangalo
Kate Middleton
Meghan Markle
Marilia Mendonça
Gusttavo Lima
Camila Queiroz
Sabrina Sato
Michel Teló
Juliana Paes
Beleza & Estilo
Cabelos
Make
Moda
Primavera/Verão
Outono/Inverno
Dieta & Saúde
Beleza & Estética

Modelo albina Thando Hopa lembra preconceito na infância: 'Não tocavam em mim'

Compartilhe no Facebook
Destaque no Calendário Pirelli 2018, africana abandonou a carreira de advogada por uma causa: 'A moda me faz conscientizar as pessoas sobre o albinismo'

A beleza incomum de Thando Hopa está chamando atenção no mundo da moda. Albina e negra, a modelo de 28 anos é um dos nomes de peso que integra o conceituado Calendário Pirelli 2018 ao lado de beldades como Lupita Nyong'o e Naomi Campbell, que apostou em um piercing conectado à orelha em recente premiação. Antes de ser descoberta por um olheiro em Johannesburgo, sua cidade natal, Hopa trabalhava como advogada. "Larguei o Direito por uma causa. E se é a moda que me faz conscientizar as pessoas sobre o albinismo, então vou abraçar essa profissão até o fim", disse a modelo, que estampou a capa de Agosto da "Marie Claire" americana, em entrevista à revista "Época". Segundo Thando, o preconceito que as pessoas albinas sofrem, na África, ainda é desconhecido no resto do mundo. "Na juventude, não saía de casa sem muita maquiagem para escurecer a pele. E, mesmo assim, me apontavam na rua, diziam que eu era filha do demônio e cuspiam quando eu passava. Lá o albinismo pressupõe debilitação física, um drama social. Os coleguinhas da escola não tocavam em mim", desabafou a parceira de Lupita, que investiu no jeans em desfile da New York Fashion Week.

'Luto a todo momento para não me deslumbrar e esquecer o motivo de eu estar aqui', diz a sul-africana

Apesar de o Calendário Pirelli, que já foi estrelado por brasileiras como Isabeli Fontana e Adriana Lima, ter sido inspirado, neste ano, no livro "Alice no País das Maravilhas", na vida real, Thando buscar manter os pés no chão: "Tudo tem acontecido muito rápido. O mundo da moda é muito glamouroso, cada dia estou num país diferente. Mas luto a todo momento para não me deslumbrar e esquecer o motivo de eu estar aqui". A ativista luta, principalmente, para que os albinos africanos não sofram com o preconceito: "Não vou descansar enquanto souber que ainda existem crianças passando pelo que passei, principalmente em países como a Nigéria, onde, segundo estatísticas, uma em cada 5 mil pessoas é albina. Lá e também na Tanzânia, o infanticídio de bebês albinos é comum". No Malawi, país onde nasceram as filhas gêmeas de Madonna, que foram flagradas dançando e cantando funk, muitas pessoas matam albinos e usam seus corpos em rituais. "As pessoas não fazem ideia. E isso precisa ser falado. Acredite se quiser, ainda hoje muita gente crê que partes de albinos trazem poder e sorte", finalizou a modelo.

(Por Anita Prado)

Acompanhe também as últimas notícias dos famosos pelo nosso Facebook.