Home
últimas
Famosos Brasileiros
Famosos Internacionais
Famosos na praia
Filhos de famosos
Fotos de famosos
Vídeos
Namoro
Instagram dos famosos
Principais notícias
Todos os temas
Novelas
Novela O Sétimo Guardião
Novela O Tempo Não Para
Novela Espelho da Vida
Malhação - Vidas Brasileiras
As Aventuras de Poliana
Novela Jesus
Resumo de novelas
Verão 90
TV
Domingão do Faustão
Mais Você
Encontro com Fátima
Caldeirão do Huck
Fantástico
Cinema
Tapete vermelho
Estreias
Oscar
Cannes
Festival do Rio
Angelina Jolie
Jennifer Aniston
Brad Pitt
Tom Cruise
Leonardo Dicaprio
Famosos
Bruna Marquezine
Marina Ruy Barbosa
Sasha
Anitta
Grazi Massafera
Ivete Sangalo
Giovanna Antonelli
Meghan Markle
Chay Suede
Letícia Colin
Camila Queiroz
Sabrina Sato
Michel Teló
Juliana Paes
Cabelos
Make
Moda
Dieta & Saúde
Beleza & Estética

Protetor solar com cor realmente funciona? Especialista tira dúvida no pré-verão

Compartilhe no Facebook
Quando o assunto é protetor solar, não podemos deixar de tirar todas as nossas dúvidas. Para não sofrermos com as consequências da exposição exagerada ao sol como queimaduras e até doenças de pele, a dermatologista Juliana Jordão esclarece para o Purepeople se o filtro solar com pigmentos parecidos com as tonalidades de diversas peles realmente funcionam

Com a ajuda da tecnologia, inovações relacionadas a protetores solares permitiram a criação de diferentes tipos de bloqueadores, incluindo um específico para o cabelo e outro em cápsula que deve ser ingerido, mas será que eles realmente funcionam? Quando o assunto é sobre o filtro solar que já vem com cor, a dermatologista Juliana Jordão esclarece a dúvida em entrevista para o Purepeople, além de explicar a diferença da proteção entre aqueles que são fabricados com pigmento e os que são brancos ou transparentes. "O protetor com cor de fato protege melhor a pele do que o que não contém pigmento", aponta a especialista.

Veja também

Forma de proteção com pigmento: 'Proporciona uma barreira física'

O uso de bloqueadores é essencial até mesmo durante o inverno e optar por um que tenha uma tonalidade parecida com a sua cor da pele pode melhorar a proteção. "O pigmento proporciona uma barreira física, então, além da proteção química, que o protetor já tem, o fato de se adicionar pigmento torna ele um protetor com uma barreira física associada", declara a profissional ao informar: "Quanto maior a concentração de pigmento e maior a cobertura do produto, maior a proteção física que ele vai proporcionar." Para isso, é importante verificar certas características, principalmente quando for uma maquiagem que contém fator de proteção solar. Ela precisa defender a pele dos raios UVA e UVB, pois diminui a proteção quando não combate esses tipos de raios solares. "É importante ficar atento à proteção química, que é o que é estabelecido pelo FPS e que é a proteção contra a radiação ultravioleta", comenta a dermatologista ao contar: "Alguns protegem contra luz visível e, se possível, usar aquele com base que dê uma cobertura boa. Filtros com uma base mais fina e quase transparentes têm uma concentração menor de partículas de pigmento e, consequentemente, oferecem uma proteção física menos eficiente."

Maneira de passar influencia: 'Precisam de reaplicação normal'

Por ter uma pegada parecida com a da maquiagem, é importante cuidar da pele após o uso. "O uso do pigmento não prejudica em nada a pele, mas precisa ser removido com a rotina de higiene normal seguida pelo paciente", descreve a especialista ao orientar: "De nada adianta pegar um filtro em pó e passar uma camada fina com pincel. O certo é usar a esponja que vem com o produto, no caso de um pancake ou pó, e fazer uma boa cobertura de toda a área." Já para produtos líquidos, a recomendação é outra. "A base mais cremosa, que não vem com esponja, precisa de uma camada que seja suficiente para deixar o paciente confortável sem oleosidade, mas que também dê uma boa cobertura para gerar uma proteção melhor", aconselha Juliana ao indicar: "É importante lembrar que os filtros com base também precisam de reaplicação normal a cada duas horas se for se expor ao sol, ou no mínimo 3 vezes ao dia se for ficar em ambiente fechado."

Proteção para pele com manchas: 'Melasma e vitiligo'

Alguns problemas com pigmentação da pele podem ser amenizadas com a ajuda desse tipo de protetor solar. "Para os pacientes que querem se proteger da piora de manchas como o melasma, o ideal é de fato usar protetor com base", conta a especialista ao justificar: "A barreira física ajuda na proteção contra a radiação ultravioleta, mas também ajuda na proteção contra a luz visível, que é a luz branca de computador e celular, e um dos maiores vilões para quem convive com manchas na pele." Além disso, pessoas outras desordens pigmentares podem se beneficiar com o uso. "O paciente com tendência a câncer de pele também, porque tem uma proteção adicional", revela a profissional ao concluir: "Mas enfatizamos a necessidade do protetor com pigmento especialmente para os pacientes que têm melasma ou outros tipos de manchas como vitiligo."

(Por Fernanda Casagrande)

Acompanhe também as últimas notícias dos famosos pelo nosso Facebook.