Home
Últimas
Famosos Brasileiros
Famosos Internacionais
Famosos na praia
Filhos de famosos
Fotos de famosos
Vídeos
Últimos stories
BBB 21
Sertanejo
Namoro
Casamento
Instagram dos famosos
Principais notícias
Todos os temas
Novelas
Novela Império
Novela A Vida da Gente
Novela Gênesis
Novela Salve-se Quem Puder
Novela Nos Tempos do Imperador
Novela A Viagem
Resumo de novelas
TV
BBB21
Domingão do Faustão
Masterchef Brasil
Caldeirão do Huck
Mais Você
Encontro com Fátima
Fantástico
BBB 21
Cinema
Tapete vermelho
Estreias
Oscar
Cannes
Streaming
Festival do Rio
Angelina Jolie
Jennifer Aniston
Brad Pitt
Tom Cruise
Famosos
Bruna Marquezine
Marina Ruy Barbosa
Sasha
Anitta
Grazi Massafera
Ivete Sangalo
Kate Middleton
Meghan Markle
Marilia Mendonça
Gusttavo Lima
Andressa Suita
Sabrina Sato
Larissa Manoela
Juliana Paes
Beleza & Estilo
Cabelos
Maquiagem
Cuidados com a pele
Moda
Primavera/Verão
Outono/Inverno
Dieta & Saúde
Beleza & Estética

Jacqueline Sato aponta desafios da representatividade asiática: 'É urgente'

Com ascendência japonesa, Jacqueline Sato faz coro por uma representatividade cada vez mais ampla no meio artístico. Em papo com o Purepeople, ela aponta conquistas, desafios e também suas inspirações na carreira. Veja mais a seguir!

A representatividade asiática é uma pauta recorrente nas redes sociais de Jacqueline Sato: com 10 anos de carreira na TV, a atriz de 32 anos conta ao Purepeople como busca colocar em foco a busca por uma maior diversidade e também empoderamento de mulheres com a mesma ascendência que a sua. "Estamos vivendo um momento de mudança positiva em relação a isso. São ações e manifestações que vão desde o público que vem criticando quando não vê esta representatividade na tela, ou nas páginas", aponta.

No exterior, um exemplo veio no Globo de Ouro deste ano, por exemplo, quando a chinesa Chloé Zhao venceu pela 1ª vez na categoria Melhor Diretor. Já no Brasil, a mudança acontece a passos mais lentos. "A primeira novela brasileira foi ao ar em 1951, somente 35 anos depois houve a presença da primeira mulher amarela (Cristina Sano) em uma telenovela ("Roda de Fogo - 1986), e somente 31 anos depois surgiu a primeira protagonista (Ana Hikari) na TV aberta brasileira ("Malhação - Viva a diferença" - 2017). Até que essa mudança expressiva em relação à representatividade acontecesse se passaram 66 anos", revela sobre a colega de trabalho que também se destacou em "As Five".

Jacqueline alerta sobre generalização do termo 'oriental': 'É errado'

Jacqueline aponta também que o preconceito acontece, muitas vezes, de modo naturalizado. "Algumas pessoas não entendem que ao se referirem à alguém nascida no Brasil, como oriental, ou como japonesa, elas estão reforçando preconceitos. A palavra 'oriental' se refere a pessoas nascidas em todo o Oriente, onde temos quase toda a Europa, a Ásia e a maior parte da África e da Oceania, e metade da Antártica. Então é errado se satisfazer com uma nomenclatura assim tão generalizada, ainda mais se a atriz que estejam buscando seja nascida no Brasil, como é o caso na maioria das vezes", explica a artista.
Jacqueline Sato comemora maior representatividade asiática, mas alerta: 'É urgente'
Jacqueline Sato comemora maior representatividade asiática, mas alerta: 'É urgente'

Ela ainda alerta: "Já houve muito menos oportunidades, está melhor, mas o caminho precisa ser crescente e é cada vez mais urgente. A cada dia que passa, essa urgência e as consequências desta falta se multiplicam. Temos que estar atentos para não permitirmos retrocessos. E é muito importante que cada vez mais se fale sobre, se cobre, e mais e mais pessoas se manifestem para ampliarmos esta consciência, uma vez que você se conscientiza de algo, não tem como voltar atrás."

Atriz viu falta de referências como gás na carreira

E se atualmente o debate contra o racismo e em prol da representatividade é mais amplo, no passado Jacqueline quis ir além do seu fenótipo e não se limitou àqueles que eram voltados especificamente para atrizes com ascendência asiática. "Diversos papéis meus não vieram até mim por conta das minhas características étnico-raciais e, sim, pelo meu trabalho consistente como atriz. Desde minha primeira novela no SBT, em que lembro nitidamente de ficar extremamente feliz em ver que pessoas com diversas características fenotípicas estavam sendo testadas para o mesmo papel", analisa.

A paulistana também aponta alguns estereótipos equivocados que ainda vê no mundo atual. "Já passei por algumas situações em que a pessoa brinca que era pra eu fazer a conta porque certamente eu seria boa com exatas, onde na real, sempre fui muito fraca, tirava as piores notas na escola nessa área, por exemplo", relembra.

Jacqueline Sato enfrentou preconceitos por origem nipônica
Jacqueline Sato enfrentou preconceitos por origem nipônica

Outro ponto recorrente é a fetichização: "De um modo simples e direto, como exemplificar? 'Sempre quis namorar uma asiática' é uma das frases mais manjadas para identificar o recorte racial da fetichização. E esta é uma frase que quase toda asiática ou descendente já ouviu uma ou muitas vezes na vida".

Jacqueline aponta inspirações na carreira

Para a artista, neta de avô japonês, não faltam nomes e exemplos que a inspiram profissionalmente. "Quando eu vejo a Sandra Oh arrasando na série 'Killing Eve', ganhando o Globo de Ouro pela segunda vez, e sendo a primeira mulher amarela a apresentar este evento de prestígio, quando eu a vejo ser nomeada ao Emmy de melhor atriz novamente em 2020, ou quando vejo a Awkafina ganhar o prêmio de melhor atriz no Globo de Ouro, e também quando vejo o filme coreano 'Parasita' ganhar o Oscar, isso bate em mim, fico feliz de um jeito diferente, por que, de alguma forma, eu vejo a diversidade e representatividade étnico-racial conquistando seu espaço e isto me inspira, e muito", comemora.

"Aqui no Brasil temos também excelentes artistas, como a Miwa Yanagizawa, que conheci pessoalmente quando ela interpretou minha mãe na novela, e tem um trabalho expressivo e consistente no Teatro, é também diretora, premiadíssima, dá cursos, uma mulher multitalentosa e inspiradora. A Cristina Sano, pioneira sendo a primeira mulher amarela presente em telenovelas na nossa TV brasileira, é também diretora, e abriu muitos caminhos - e olha que engraçado, também a conheci pessoalmente quando ela interpretou minha mãe, na série ainda a ser lançada, 'Os Ausentes'. É claro que tenho diversas outras referências não-amarelas, mas escolho, desta vez, focar nestas", acrescenta.

(Por Marilise Gomes)

Acompanhe também as últimas notícias dos famosos pelo nosso Facebook.