Home
Últimas
Famosos Brasileiros
Famosos Internacionais
Famosos na praia
Filhos de famosos
Fotos de famosos
Vídeos
Últimos Web Stories
Sertanejo
Namoro
Instagram dos famosos
Principais notícias
Todos os temas
Novelas
Novela Império
Novela Gênesis
Novela Pega Pega
Novela Nos Tempos do Imperador
Novela Verdades Secretas
Novela Verdades Secretas II
Novela Carinha de Anjo
Novela Pantanal
Novela Além da Ilusão
Novela Um Lugar ao Sol
Novela Quanto Mais Vida Melhor
Resumo de novelas
TV
A Fazenda 13
The Masked Singer
Masterchef Brasil
Domingão com Huck
Caldeirão
Mais Você
Encontro com Fátima
Fantástico
Séries
Round 6
Cinema
Séries e filmes
Tapete vermelho
Estreias
Oscar
Cannes
Festival do Rio
Angelina Jolie
Jennifer Aniston
Brad Pitt
Tom Cruise
Famosos
Bruna Marquezine
Marina Ruy Barbosa
Virginia Fonseca
Sasha
Anitta
Grazi Massafera
Ivete Sangalo
Kate Middleton
Meghan Markle
Marilia Mendonça
Gabi Martins
Andressa Suita
Cleo
Sabrina Sato
Larissa Manoela
Paolla Oliveira
Casamento
Noivas
Looks para casamento
Make para casamento
Penteados para casamento
Beleza & Estilo
Cabelos
Maquiagem
Cuidados com a pele
Moda
Primavera/Verão
Outono/Inverno
Beleza & Estética
Saúde e Bem-estar
Beleza Madura
Dieta

Caso Evaldo: Justiça condena 8 militares pelas mortes de músico e catador de latinhas; viúva se mostra aliviada

Oito militares foram condenados pelas mortes do músico Evaldo Rosa e do catador de latinhas Luciano Macedo. O advogado da defesa disse que irá recorrer. No julgamento, a viúva de Evaldo se emocionou com a decisão da Justiça.

Após mais de 15 horas de julgamento, oito militares foram condenados pelas mortes do músico Evaldo Rosa e do catador de latinhas Luciano Macedo, em 2019. O advogado dos acusados informou que irá recorrer. As informações são do portal "G1".

No dia 7 de abril de 2019, Evaldo teve o carro fuzilado quando passava com a família próximo à favela do Muquiço, no bairro de Guadalupe, Zona Norte do Rio. Ao todo, 257 tiros foram disparados, tendo 62 atingido o veículo. Luciano passava no local, tentou ajudar o músico e acabou sendo baleado. O catador morreu 11 dias depois.

Esse caso que abalou o país se soma a outro crime que também comoveu o Brasil vitimando o menino Henry, morto aos 4 anos e que tem a mãe e ex-vereador Jairo Santos Júnior como acusados. O caso está em julgamento e, diferentemente da viúva de Evaldo Rosa, que se sente aliviada com o desfecho do caso, o pai da criança está indignado com os desdobramentos da primeira audiência.

Tenente que chefiava a ação foi condenado a 31 anos e 6 meses

O julgamento terminou no início da madrugada desta quinta-feira (14). Por três votos a dois, o conselho da Justiça Militar julgou culpados por duplo homicídio e tentativa de homicídio. Os réus respondem em liberdade até que o caso transite em julgado (se esgotem os recursos).

O tenente Ítalo da Silva Nunes, que chefiava a ação, foi condenado a 31 anos e 6 meses. Sete militares receberam a pena de 28 anos. Outros quatro militares que estavam na ação foram absolvidos. Os 12 foram absolvidos do crime de omissão de socorro.

Viúva de Evaldo se sente aliviada: 'Paz para a minha alma'

A viúva de Evaldo, Luciana Nogueira, passou mal no começo do julgamento. Ao final, ela se mostrou aliviada. "Eles não têm noção de como estão trazendo uma paz para a minha alma. Eu sei que não vai trazer o meu esposo de volta, mas não seria justo eu sair daqui sem uma resposta positiva. Hoje vou chegar em casa, vou tomar um banho e acho que hoje vou conseguir dormir", disse ela, afirmando que era o que precisava para honrar a honra do marido, conforme definiu.

O mesmo alívio não teve a influenciadora digital Mari Ferrer na última semana ao ver que o empresário André Aranha foi absolvido por unanimidade após acusá-lo de estupro de vulnerável.

Viúva de Evaldo Rosa se mostra aliviada após julgamento de militares
Viúva de Evaldo Rosa se mostra aliviada após julgamento de militares

Advogado alega que militares agiram em autodefesa no caso da morte de músico em Guadalupe

Durante o julgamento, o advogado pediu a absolvição dos militares alegando que eles agiram em autodefesa. A responsável pela denúncia criticou esta última versão. "A versão dos militares afeta a dignidade das vítimas. É como matá-los moralmente uma segunda vez", disse a promotora Najla Nassif Palma.

Os militares alegaram que o catador Luciano Macedo seria um assaltante, que este estaria armado e que o carro onde estava Evaldo não seria um da família, mas roubado. Segundo a promotoria, provas apontam que não houve troca de tiros, nem presença de arma entre os pertences de Luciano.

Acompanhe também as últimas notícias dos famosos pelo nosso Facebook.