Home
Últimas
Famosos Brasileiros
Famosos Internacionais
Famosos na praia
Filhos de famosos
Fotos de famosos
Vídeos
Últimos Web Stories
Sertanejo
Namoro
Instagram dos famosos
Principais notícias
Todos os temas
Novelas
Novela Império
Novela Gênesis
Novela A Vida da Gente
Novela Pega Pega
Novela Nos Tempos do Imperador
Novela A Viagem
Resumo de novelas
TV
Power Couple
Ilha Record
Domingão do Faustão
Caldeirão do Huck
Mais Você
Encontro com Fátima
Fantástico
Cinema
Tapete vermelho
Estreias
Oscar
Cannes
Streaming
Festival do Rio
Angelina Jolie
Jennifer Aniston
Brad Pitt
Tom Cruise
Famosos
Bruna Marquezine
Marina Ruy Barbosa
Sasha
Anitta
Grazi Massafera
Ivete Sangalo
Kate Middleton
Meghan Markle
Marilia Mendonça
Gusttavo Lima
Andressa Suita
Sabrina Sato
Larissa Manoela
Juliette
Casamento
Noivas
Looks para casamento
Make para casamento
Penteados para casamento
Beleza & Estilo
Cabelos
Maquiagem
Cuidados com a pele
Moda
Primavera/Verão
Outono/Inverno
Beleza & Estética
Saúde e Bem-estar
Beleza Madura
Dieta

Feminismo, representatividade negra e LGBT: veja destaques de Cannes 2018. Fotos

Feminismo, representatividade negra e LGBT: veja destaques do Cannes 2018 após o fim do festival, no sábado, dia 19 de maio de 2018
24 fotos
Iniciar o slideshow
Feminismo, representatividade negra e LGBT: veja destaques do Cannes 2018 após o fim do festival, no sábado, dia 19 de maio de 2018
Durante o festival de cinema na Riviera Francesa, a luta pela igualdade de gênero esteve em presente em diversos momentos, bem como a busca por uma maior participação de atrizes e atores negros na indústria do cinema. O Brasil também se fez representado com o lançamento do longa 'O Grande Circo Místico', de Cacá Diegues, e com a estreia de Bruna Marquezine no red carpet francês. Veja mais!

A edição de 2018 promete entrar para a história de Cannes. Além dos tradicionais looks glamourosos e dos penteados com personalidade que cruzaram o tapete vermelho francês, o tom feminista ganhou destaque no festival. O júri foi presidido por uma mulher, a atriz Cate Blanchett, depois de quatro anos e pela 12ª vez nos 71 anos de evento e, desde a abertura, a questão da igualdade de gênero foi abordada em diferentes momentos.

Desigualdade é evidenciada em escadaria

No sábado consecutivo à abertura, aconteceu um protesto que se tornou uma das imagens mais representativas da edição deste ano. Em prol da igualdade de gênero, 82 mulheres da indústria cinematográfica, entre atrizes, como Salma Hayek e Kristen Stewart, produtoras e cineastas subiram as escadarias do Palácio dos Festivais. O número de participantes fazia referência à quantidade de filmes assinados por mulheres que foram indicados à premiação em todos os 71 anos do renomado evento na Riviera Francesa. A título de comparação, são mais de 1.600 trabalhos dirigidos por homens que já passaram pelo festival. Em determinado momento, pararam no meio das escadas, simbolizando que, ainda nos dias atuais, as mulheres enfrentam dificuldades no mercado. No último dia de festival, a italiana Asia Argento destacou em seu discurso o assédio sofrido por ela em edição anterior. "Em 1997, aqui mesmo em Cannes, fui estuprada pelo produtor Harvey Weinstein. "Eu tinha 21 anos. Este festival era o lugar onde ele caçava. Eu quero fazer uma previsão: Weinstein nunca mais será bem-vindo aqui de novo. Ele viverá em desgraça, afastado da comunidade do cinema, que um dia o abraçou e encobriu seus crimes", afirmou.

Festival tem maior presença negra

Outro destaque em Cannes nesta edição foi um aumento de artistas negros, apesar da ainda evidente desigualdade racial no mesmo. Quatro dias depois do protesto pela maior presença feminina no festival, 16 atrizes negras subiram juntas as escadas no mesmo local e questionaram a dificuldade de atrizes negras conseguirem papeis de destaque por conta do preconceito. Com looks Balmain, cujo estilista - Olivier Rousteing - é negro e tem valorizado a maior representatividade no mundo fashion. O ato integrou o lançamento do livro Noire N'est Pas Mon Metier (Negra não é minha profissão, em tradução livre), de Aissa Maiga, no qual artistas relatam o racismo nos bastidores do cinema. Em outro dia do festival, as protagonistas do filme queniano "Rafiki", Sheila Munyiva e Samantha Mugatsia, aliaram estilo e representatividade ao red carpet no dia 09 de maio. Dirigido por uma mulher, Wanuri Kahiu, o longa é o primeiro do Quênia indicado ao festival francês, mas foi banido no país de origem, por ter temática LGBTQ.

Cannes ganhou pitada verde e amarela

Em 2018, o cinema brasileiro também marcou presença no festival: com o longa "O Grande Circo Místico", de Cacá Diegues, Mariana Ximenes e Bruna Linzmeyer cruzaram a Croisette e apresentaram o novo trabalho ao grande público. O documentário "Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos", da brasileira Renée Nader Messora e do português João Salaviza também agitou o red carpet: premiada na mostra "Um Certo Olhar" do festival e gravada gravada no Tocantins, com indígenas Krahô, a produção luso-brasileira se destacou por conta da crítica de seus produtores e elenco ao genocídio dos nativos brasileiros e às demarcações em terras indígenas. Outro highlight nacional em Cannes foi a passagem de Bruna Marquezine. Famosa desde a infância em produções nacionais, a atriz fez sua estreia na 71ª edição do evento e, com looks cheios de estilo, roubou a cena até na imprensa internacional. Confira esses e mais momentos na galeria acima.

(Por Marilise Gomes)

Acompanhe também as últimas notícias dos famosos pelo nosso Facebook.