Home
últimas
Famosos Brasileiros
Famosos Internacionais
Famosos na praia
Filhos de famosos
Fotos de famosos
Vídeos
Namoro
Instagram dos famosos
Principais notícias
Todos os temas
Novelas
Novela A Dona do Pedaço
Novela Bom Sucesso
Novela Órfãos da Terra
Malhação - Toda Forma de Amar
As Aventuras de Poliana
Novela Topíssima
Novela Éramos Seis
Resumo de novelas
TV
Domingão do Faustão
The Voice Brasil
Caldeirão do Huck
Mais Você
Encontro com Fátima
Fantástico
Famosos
Bruna Marquezine
Marina Ruy Barbosa
Sasha
Anitta
Grazi Massafera
Ivete Sangalo
Kate Middleton
Meghan Markle
Marilia Mendonça
Gusttavo Lima
Camila Queiroz
Sabrina Sato
Michel Teló
Juliana Paes
Beleza e estilo agosto 2019
Cabelo
Make
Moda
Dieta & Saúde
Beleza & Estética
Especial Arezzo valendo

Careca e feminina: cabelo raspado é tendência entre mulheres. Conheça histórias!

Compartilhe no Facebook
No mês da Mulher, o Purepeople conversa com diferentes mulheres que decidiram se despedir do cabelo por diversos motivos e, como aspecto em comum, relatam ter ganhado mais liberdade e poder sobre o seu visual. Afinal de contas, um corte de cabelo também transmite seu estilo, sua atitude e sua visão de mundo - além de não ter relação com feminilidade. Confira mais a seguir!

Mais do que uma parte do visual, cabelo é um modo de expressar sua atitude, seu humor e seu estilo. E, no cenário atual, com o feminismo cada vez mais em voga, mais mulheres tem apostado no cabelo raspado, por diferentes motivos. Como no Purepeople acreditamos que quem faz seu estilo é você, conversamos com diferentes mulheres que deixaram de lado a cabeleira para curtir um visual mais fresquinho e não menos poderoso.

'Moldura do rosto tem sido meus brincos nada pequenos'

A estudante de jornalismo Vyk Barbosa decidiu raspar o cabelo durante uma viagem a São Paulo. "Queria provar pra mim mesma que sou bonita até sem cabelo, me desafiar!", explica a jovem, que viu sua liberdade aumentar com o novo visual. "Não só me sinto mais livre como também ultrapassando minhas expectativas na questão de segurança como mulher, quebrando aquele tabu de 'o cabelo é a moldura do rosto'. No momento, a moldura do meu rosto tem sido meus brincos nada pequenos que uso", garante, aos risos. E ela conta ainda que o curtíssimo precisa, sim, de cuidados, principalmente com o sol. "Corto uma vez por mês e passei a usar mais protetor como abuso de chapéu e boné", explica.

Vyk Barbosa platinou os fios depois de raspá-los
Vyk Barbosa platinou os fios depois de raspá-los

'Me sinto mais mulher depois que raspei o cabelo'

Moradora de Niterói, a consultora pedagógica e estudante de psicologia Jade Brito, de 27 anos, decidiu raspar depois de uma conversa entre amigos sobre estereótipos e feminismo no fim do ano passado. "Eu era cacheada, então os elogios eram sempre relacionados ao meu cabelo. Quando eu decidi raspar, um amigo meu disse: 'Jade, você sabe que vai ficar mais masculina, né?' Nesse sentido, eu me senti mais livre por estar quebrando um padrão que não nos pertence. O que é ser mulher, afinal? É ter cabelo? É ter peito? Não ter pêlos no corpo? Comecei a questionar muito isso e só por isso já é muito libertador. Eu me sinto muito mais mulher depois que raspei meu cabelo", diz ela. Desde então, Jade se depara com situações que antes não faziam parte de seu cotidiano. "Entrar no ônibus é sempre um causo: sempre tem um olhar de estranhamento ou de admiração. E encontrar com idosos em elevador, em qualquer lugar assim: eles sempre ficam assustados. Por mais engraçado que isso seja, a careca me passa um poder tão grande que eu não tô ligando para esse olhar", pondera.

Jade Brito raspou o cabelo e se considera mais feminina com o novo corte
Jade Brito raspou o cabelo e se considera mais feminina com o novo corte

'Já ouvi: estava na cadeia?'

Joyce Kelly Salvador, de 25 anos, adotou sua careca depois de ver a filha, Ágatha, sofrer um episódio de racismo com apenas 1 ano e 8 meses, há quatro na creche ("Quando eu fui pentear os cabelos dela, ela disse: não, mamãe meu cabelo é 'dulo'"), desde então eu comecei a pesquisar sobre o Movimento Negro e me identifiquei com tudo ali", conta a moradora de Duque de Caxias, relatando que, inicialmente, escolheu um cabelo curto e, depois, raspou os fios. "Fui em diversos salões do meu bairro com a intenção de raspar a cabeça, depois de algumas recusas... sim, as pessoas se recusam a raspar a cabeça de mulheres, eu finalmente consegui. Me lembro até hoje a sensação maravilhosa dá máquina passando na minha cabeça pela primeira vez, eu saí do salão com lágrimas de felicidade nos olhos. Nunca me senti tão eu, tão livre", lembra. E se a reação da menina com o novo visual da mãe foi maravilhosa, a de conhecidos e vizinhos foi o oposto: "Eu já ouvi tanta coisa, você não faz ideia... 'Você estava na cadeia?', 'Vacilou na favela?', 'Deitou pro santo?', 'Pegou piolho?'...". Por conta de sua vivência, criou um grupo no Facebook em 2016, o "Relatos das Carecas", que hoje já tem mais de 2 mil mulheres. "Foi mais uma forma de encontrar meninas que já estavam carecas e precisava de um apoio, pois muitas perdiam namorado ou emprego depois de raspar, e achar pessoas que queriam raspar mas não tinham coragem pra isso. Só que começou a aparecer muitas mulheres que ficaram carecas por motivos de doença e acabavam se sentindo abraçadas, já teve caso de cura mesmo assim elas continuarem raspando a cabeça", diz.

Agatha, filha de Joyce, motivou a jovem a mudar o visual
Agatha, filha de Joyce, motivou a jovem a mudar o visual

'Não é cabelo de menino ou de menina, é de todo mundo'

A produtora cultural Yasmin Victória passava pelo processo de transição capilar quando decidiu se livrar do cabelo longo, mas só tomou a decisão, de fato, ao viver um caso de doença na família. "Meu marido na época não era a favor, então isso era uma questão dentro de casa até que minha tia descobriu um câncer. Ela era uma pessoa muito importante para mim e um dia ela me ligou chorando muito falando que iria raspar a cabeça. Eu decidi acompanhá-la porque era o que faltava para que essa decisão se concretizasse. A ideia inicial era deixar crescer, mas já faz dois anos e dois meses e decidi manter", afirma a carioca, que viu uma nova mulher surgir: "Mudei meus looks, antes eu não conseguia usar determinadas roupas e agora elas funcionam, adotei mais tatuagens...". Yasmin conta ainda que já foi questionada por crianças, mas explica com naturalidade sua escolha, desassociando aparência a questões de gênero: "Eu acredito que o cabelo é um acessório, para desmistificar isso que mulher tem que ter cabelão, porque acho que isso ainda é um tabu. Alguns meninos e meninas estranham, mas eu falo: 'não é cabelo de menino ou menina, é cabelo de todo mundo'".

Yasmin Victória raspou o cabelo após a tia ter câncer e quis manter o visual
Yasmin Victória raspou o cabelo após a tia ter câncer e quis manter o visual
Acompanhe também as últimas notícias dos famosos pelo nosso Facebook.