Home
últimas
Famosos Brasileiros
Famosos Internacionais
Famosos na praia
Filhos de famosos
Fotos de famosos
Vídeos
Últimos stories
Sertanejo
Namoro
Instagram dos famosos
Principais notícias
Todos os temas
Novelas
Malhação - Viva a Diferença
Novela Totalmente Demais
Novela Laços de Família
Novela Flor do Caribe
Novela Fina Estampa
Novela A Força do Querer
As Aventuras de Poliana
Novela Amor Sem Igual
Novela Salve-se Quem Puder
Novela Amor de Mãe
Novela Nos Tempos do Imperador
Resumo de novelas
TV
A Fazenda 12
Domingão do Faustão
Masterchef Brasil
Caldeirão do Huck
Mais Você
Encontro com Fátima
Fantástico
Cinema
Tapete vermelho
Estreias
Oscar
Cannes
Streaming
Festival do Rio
Angelina Jolie
Jennifer Aniston
Brad Pitt
Tom Cruise
Famosos
Bruna Marquezine
Marina Ruy Barbosa
Sasha
Anitta
Grazi Massafera
Ivete Sangalo
Kate Middleton
Meghan Markle
Marilia Mendonça
Gusttavo Lima
Camila Queiroz
Sabrina Sato
Michel Teló
Juliana Paes
Beleza & Estilo
Cabelos
Make
Moda
Primavera/Verão
Outono/Inverno
Dieta & Saúde
Beleza & Estética

Saiba como tratar e prevenir o melasma, doença de pele ligada aos hormônios

Compartilhe no Facebook
Laser, microagulhamento e cremes despigmentantes são algumas indicações do dermatologista Thales Bretas

O melasma é uma doença muito comum que se manifesta, principalmente, em mulheres gestantes e que fazem ou já fizeram uso de pílula anticoncepcional - assim como aconteceu com a atriz Mariana Xavier. Ele aparece em forma de manchinhas mais pigmentadas que a tonalidade natural da pele e pode ser agravado com a exposição ao sol. Em entrevista ao Purepeople, o dermatologista Thales Bretas, casado com o ator e humorista Paulo Gustavo, fala de suas possíveis causas: "Elas ainda não são bem estabelecidas, mas sabemos que ele tem uma relação direta com hormônios, principalmente os femininos, o que faz com que a condição possa se manifestar ou se agravar com o uso de pílula anticoncepcional e na gravidez".

Médico destaca os grupos mais suscetíveis ao melasma

Segundo o especialista, as mulheres grávidas e que fazem uso do método contraceptivo oral fazem parte do grupo de risco do melasma justamente devido à alteração da taxa hormonal no organismo. Mas Thales Bretas afirma que existem outros fatores de predisposição à doença, como a cor da pele e a genética. "Pessoas de pele mais escura (fototipo mais alto) também têm uma tendência maior a desenvolver melasma, assim como quem tem familiares com a doença, já que há uma influência genética. Mas, principalmente, quem se expõe ao sol excessivamente e sem proteção, já que tanto os raios UV quando a luz visível são capazes de estimular a doença", diz o médico sobre o melasma, que pode surgir em outras áreas do corpo - apesar de ser bem menos comum - e não somente no rosto.

'As consequências estéticas podem gerar quadros psíquicos'

O melasma é um quadro restrito somente à pele, sem ser indicativo de mudança do tipo da pele. "Ele não representa alterações das características da pele, como textura e oleosidade. Pode estar associado a essas alterações mas, basicamente, o melasma é uma discromia, uma alteração do pigmento, da cor. É depósito de melanina na derme", explica Thales, destacando que a doença pode despertar transtornos com a autoimagem. "No geral, não afeta o organismo de outra forma, mas as consequências estéticas podem gerar quadros psíquicos, problemas de autoestima, efeitos psicossociais. Fora esse aspecto, é um quadro limitado à pele", diz.

Laser, microagulhamento e cremes para tratar o melasma

Além de não amenizar naturalmente, ou seja, sem tratamento, essa doença de pele, afirma Thales Bretas, "não tem cura, mas pode ter um bom tratamento e controle e chegar a um estágio quase imperceptível se a pessoa for disciplinada". O dermatologista destaca a importância do uso diário de filtro solar, como passou a fazer a artista Cleo Pires ao ser diagnosticada com melasma, e também Deborah Secco, "vítima" das manchinhas desde os 20 e poucos anos. As loções protetoras são um método de prevenção mas, como formas para tratar, ele destaca as principais: "Há poucos lasers que podem ser aplicados, pois grande parte deles aquece a pele e pode estimular o melasma. Mesmo que haja melhora por um tempo, o tratamento pode ter um efeito rebote e o melasma voltar pior do que antes. Mas tem um tipo específico de laser que explode o pigmento sem fazer efeito térmico. Esse é um dos poucos recomendados, com grande melhora em longo prazo". E completa: "Agora, tem sido feito com frequência o microagulhamento com algumas substâncias que atuam sobre essa cascata de pigmento. O tratamento tem um efeito bastante positivo, já que o procedimento também não esquenta a pele. Além disso, há cremes despigmentantes, uma terapia de manutenção. É importante ressaltar que o melasma pode voltar se a pessoa se descuidar do uso dos cremes e filtros solares".

Todo tipo de proteção solar é válida

O sol é o grande vilão para quem tem melasma. Afirmando que a doença costuma piorar no verão, Thales Bretas indica os cremes com fator de proteção maior do que 50 aos pacientes e acrescenta outras formas de bloquear os raios solares. "Protetores físicos ou com cor, que bloqueiam de forma mecânica a luz visível, além dos raios UV. Os filtros solares orais são complementares e auxiliam na fotoproteção de quem não pode se expor aos raios ultravioletas", recomenda.

(Por Carol Borges)

Acompanhe também as últimas notícias dos famosos pelo nosso Facebook.