Home
últimas
Famosos Brasileiros
Famosos Internacionais
Famosos na praia
Filhos de famosos
Fotos de famosos
Vídeos
Namoro
Instagram dos famosos
Principais notícias
Todos os temas
Novelas
Novela Amor de Mãe
Novela Bom Sucesso
Novela Éramos Seis
Malhação - Toda Forma de Amar
As Aventuras de Poliana
Novela Topíssima
Resumo de novelas
TV
Domingão do Faustão
Masterchef Brasil
Caldeirão do Huck
Mais Você
Encontro com Fátima
Fantástico
Famosos
Bruna Marquezine
Marina Ruy Barbosa
Sasha
Anitta
Grazi Massafera
Ivete Sangalo
Kate Middleton
Meghan Markle
Marilia Mendonça
Gusttavo Lima
Camila Queiroz
Sabrina Sato
Michel Teló
Juliana Paes
Beleza e estilo PB valendo 27/08/19
Cabelo
Make
Moda
Dieta & Saúde
Beleza & Estética
Especial Arezzo valendo

Empoderamento e aceitação: entenda a importância de mulheres gordas na mídia

Compartilhe no Facebook
Fluvia Lacerda, Preta Gil e Mariana Xavier são alguns exemplos. Psicóloga explica!

Preta Gil encoraja suas seguidoras a se libertarem ao postar fotos de biquíni no Instagram. Fluvia Lacerda é modelo plus size de sucesso, apaixonada por carboidratos e lançou a biografia-manifesto "Gorda Não é Palavrão". A atriz Mariana Xavier não tem neuroses para exibir sua real beleza, sem retoques. A presença de mulheres gordas e empoderadas na mídia tem papel fundamental para a representatividade e melhor aceitação do corpo pelas mulheres. "Sem sombra de dúvidas, hoje a gente tem muitos perfis de Instagram, muita gente trabalhando com relação a essa questão da forma, do tamanho e do peso, mesmo as modelos plus size", diz a psicóloga clínica Vanessa Tomasini. "Essas pessoas estão muito mais na mídia, falando sobre o quanto não existe esse corpo perfeito, que todos os corpos têm a sua beleza, de que o corpo não é só um resultado da sua alimentação e sua atividade física", continua ela, que é idealizadora do projeto #VcTemFomedeQue?.

'É importante para entender que os corpos são diferentes', diz psicóloga

Em seu projeto, Vanessa busca reavaliar a relação das pessoas com a comida e com o corpo. "A gente não come só de forma mecânica e automatizada. O fato da gente ter esse discurso começando a ser mais trazido para a mídia é muito importante para que as mulheres, de forma geral, possam entender que os corpos são diferentes, e que essa magreza extrema, esses corpos perfeito, atléticos e tudo mais, se fizerem parte de 5% da população mundial é muito", destaca.

'A gente cria desde cedo uma cultura de ódio ao corpo', afirma

Segundo a profissional, a comparação a esses corpos atléticos gera um sentimento de rejeição: "Se só pertence a esse número tão pequeno, quer dizer que a gente fica o tempo inteiro rejeitando os outros 95%, então a gente já cria uma cultura desde muito cedo desse ódio ao corpo, esse corpo que não é adequado, que não é perfeito, não tem o tamanho e a forma correta. É importante entender isso porque muitas vezes fica uma vida inteira calcada nesse ideal que não existe."

(Por Vanessa Nogueira)

Acompanhe também as últimas notícias dos famosos pelo nosso Facebook.